Um amante para a vida!

Um amante para a vida! Quando nos sentimos sozinhos tudo vale, até mesmo a companhia de um vizinho escritor que nos deixa loucas só de olhar para eles!

Ilustração

Talvez por o conhecer e também à família, praticamente todos os dias cruzávamo- nos, ou ia levar as crianças à escola ou tinha que sair, e ele estava no jardim a fumar o seu cigarro ou a tentar arranjar inspiração para mais um dos seus livros. Neste momento devem de estar a achar que sou uma dona de casa, e que esta é mais uma história de uma doméstica desesperada, mas não enganam-se, também trabalho apenas faço-o a partir de casa, escrevo para várias para revistas, e como só tenho que respeitar o prazo de entrega posso estar por casa, até me dá mais jeito muito sinceramente, faço os meus próprios horários e ninguém me chateia!

Tudo começou quando houve um dia que precisei açúcar e fui-lhe pedir, não me apetecia ir às compras e confesso que tinha curiosidade sobre o seu novo livro, acabámos por beber café e fumar um cigarro, a conversa estava absolutamente fantástica mas tive que me vir embora pois tinha um artigo para terminar; Mas havia algo que me  puxava, continuei a voltar, e assim se foi estabelecendo uma relação de amizade bem próxima, foi até ao dia em que me convidou para entrar em sua casa.

Assim o fiz, a sua casa era fantástica, em tons de preto, vermelho e metalizado, percebi de imediato que tinha sido ele a decorar, a mulher não passava muito tempo em casa, só queria saber dos miúdos e do trabalho, tal como o meu marido.

Não me lembro como aconteceu mas estava perto da máquina do café quando ele me agarrou pela primeira vez, o seu corpo estava rijo, ele vestia umas calças de ganga semi-justas que lhe ficavam super bem, e uma t-shirt preta que lhe definia bem os músculos, apesar de estar por casa o seu corpo estava bem definido! Inicialmente empurrei-o mas voltei a puxa-lo para mim, o beijo foi apaixonado e carregado de tesão, pegou-me logo ao colo e levou-me para o sofá.

Devo de confessar que já não me lembrava da última vez que tive sexo, o meu marido já não me liga, provavelmente deve de ter uma amante algures, mas não me importava, conseguia ter prazer com as minhas próprias mãos.

As roupas quase que foram arrancadas à força, tanto por mim como que por ele, a intimidade depressa chegou e a vergonha e insegurança do meu corpo desapareceu, afinal de contas, o tempo que anda a “perder” no ginásio valerem de alguma coisa. Ele deitou-me no sofá, tinha bastante espaço, mas a primeira vez não necessitou de muitas preliminares pois ambos estávamos bastante excitados.

Entre mãos a percorrerem corpos desnudos, deu-se a primeira penetração, o seu pénis era grande e grosso, nada fora do normal, mas talvez pela forma como me penetrou, deixou-me completamente louca; senti o meu corpo a pedir por mais e mais, parecia que não sabia o que estava a sentir, cada movimento tornou-se numa desculpa para gemer e gritar de prazer, senti que o seu corpo reconheceu o meu como um encaixe perfeito, não foram proferidas palavras.

As suas mãos acariciaram cada centímetro do meu corpo, dando especial atenção às minhas mamas, e juntamente com elas a sua boca encheu-se com os meus mamilos, deixando-me completamente assanhada. Os seus braços foram massajados pelas mãos, o esforço que tive que fazer para não o arranhar, claro não podem haver provas do que se está a acontecer.

O orgasmo não demorou, e assim que atingido foram soltos dois gemidos de prazer, ao mesmo tempo, seria possível termos um orgasmo ao mesmo tempo, não foi preciso fingir nada! Depois de terminado apercebi-me que a sua face brilhava, não sei se pelo orgasmo e pelo prazer ou se apenas pelo sol que entrava nas cortinas entreabertas.

Acho que depois do que passou me levantei e vesti sem saber o que devia de dizer sequer, mas a única coisa que fui realmente capaz de fazer foi de abraçá-lo, o momento foi absolutamente perfeito, por isso é que depois disso continuamos a fazê-lo quase todos os dias.

O melhor do nosso relacionamento é que não esperamos nada um do outro, somos amigos e confidentes e claro há sempre o bónus de termos relações sexuais, sermos amantes foi o que de melhor nos podia ter acontecido! Mas o que torna tudo tão excitante é que quando há ajuntamentos de vizinhança, jantares de vizinhos e amigos, acabamos sempre por nos ver, já se passou mais de um ano e continuamos juntos, nunca houve possibilidade de deixar o sentimento crescer mas assim é perfeito!

Uma vez ouvi uma pessoa dizer que os amantes são as pessoas perfeitas, são os que melhor nos conhecem mas que menos tempo passam connosco, podendo ver mais o nosso lado bom do que o ruim, cada vez acredito mais nisso; Sabem sempre onde estamos e o que andamos a fazer mas nem sempre é com eles, e o facto de o amante ter também outra pessoa torna tudo mais fácil pois assim nunca se sente sozinho.

A amizade com a mulher do meu amante cresceu e até já temos jantares entre as duas famílias, até podem achar que é estranho, mas não há nada melhor do que estarmos a jantar e de repente ter que ir à cozinha buscar qualquer coisa, e ele como bom ajudante que é segue-me; O que ninguém desconfia é que durante dois a três minutos que estamos sozinhos naquele pequeno espaço, conseguimos beijar-nos e passar as mãos por onde bem entendemos.

Entre ele e o meu marido a amizade também cresceu um pouco, se bem que o meu marido só pensa mesmo no seu trabalho, e como há-de agradar a sua amante, sim afinal as minhas suspeitas estavam certas; Casamentos por conveniência é o que não faltam nos dias de hoje, mas quem foi que disse que não nos podemos divertir à mesma? Os miúdos ainda são demasiado novos para terem que sofrer e passar pela batalha que é um divórcio entre os, por isso vamos continuando juntos, ainda sinto algo pelo meu marido, não deixamos de sentir um carinho especial um pelo outro mas o resto morreu, e com o meu amante posso confessar que o sentimento é cada vez maior e o prazer também!

Aumente ainda mais o tesão...

Comentários

Ainda sem comentários. Seja o primeiro!

O que pensa desta história? Deixe o seu comentário.

Arquivo de Histórias