Amigos e nada mais

A história de uma bela amizade... e não só

Ilustração

 

A campainha tocou...

 Era o Miguel. Abri a porta para ele entrar, carregado com uma mochila linda. Curiosa, perguntei-lhe logo o que era, mas ele não disse… Respondeu que só no dia em que completasse 24 anos iria saber! Apenas sorri, afinal o meu 24º aniversário era na próxima semana. Beijei-o carinhosamente, ele estava lindo, perfumado, ficamos pelo sofá abraçados a conversar e com beijos constantes.

 Virei-me de costas para que ele me abraçasse, começou a acariciar-me os cabelos e o clima começou logo a aquecer… Fomos para o quarto relaxar para estarmos mais à vontade. Ele tirou os sapatos e deitou-se na cama comigo, encostei a cabeça no peito dele enquanto víamos TV.Não demorou muito até começarmos a beijar-nos novamente. Tirei-lhe a camisa, e beijei-lhe cada centímetro do seu peito chupando-lhe os mamilos… Subo pelo pescoço, orelhas e boca deixando-o ainda mais louco de tesão.

Ele acariciava-me os seios, mordiscando-me os mamilos duros. Desapertei-lhe os botões das calças para as tirar e senti o membro excitado sob aqueles boxers de licra brancos. Beijei aquele pau, sentindo-o crescer e endurecer ainda mais. A minha mente foi ficando carregada de pensamentos impuros e eu ainda mais excitada.

 Agarra-me com força, vira-me e põe-se sobre mim continuando a beijar os seios, barriga e descendo até às calças. Abriu os botões e tirou-as num lanço. Lentamente passa a língua nas minhas virilhas e sobre a cuequinha preta de cetim. Nas coxas quentes dava leves mordidas, deixando-me cada vez mais louca. Sobe novamente até cá cima e volta a brincar com os mamilos excitados. Ordena que me vire de barriga para baixo e vai-me tirando a cuequinha, descolando lentamente aquele fio dental por entre as nádegas. Beija-me uma, outra, e vai subindo com os lábios tocando por toda a coluna até a nuca, fazendo-me arrepiar toda e deixando-me húmida.

Sinto o seu corpo encostado nas minhas costas, relaxada, abri as pernas e senti aquele mastro ereto entrar por mim adentro. Estava louca de prazer! Ele aproveitando-se da situação,  brincou tirando e voltando a meter aquele membro duro na minha coninha molhada. Claro, tive um orgasmo logo instantâneo… Depois, outro! Que delícia! Ele enfia e tira, lentamente ao mesmo tempo que me acariciava o clitóris. Então pedi para ficar por cima, para o poder cavalgar. Puxei o Miguel pra beira da cama, ajoelhei-me à frente dele e comecei a chupá-lo todo. Levantei-lhe as pernas e lambi aquele cuzinho! Voltei a dar mais uma chupadela naquele pau duro, agarro-o e encaixei-o à entrada da coninha enquanto me sento lentamente e o sinto a entrar por mim.

 Abraçamo-nos e beijamo-nos… Ele volta a chupar-me os mamilos duros enquanto vou subindo e descendo naquele membro hirto que vai saindo e entrando em mim. Fui cavalgando sem parar até me vir! As contrações vaginais intensas faziam-me tremer o quadril e aperta-lo dentro de mim. Ele delirava! Perdemos a noção de tudo o resto! Retirei o pénis e alteramos posições. Ofereci-lhe a minha vagina enquanto me perdia naquele pau molhado com os meus fluidos num desenfreado 69. Ele lambe-me e brinca com os dedos nos meus orifícios. Chupava-me o clitóris inchado e após alguns instantes volta a penetrar-me de quatro. Empino o rabo enquanto ele me seegura nas ancas e me penetra com toda a força levando-me à loucura e fazendo-me vir novamente. O meu peito balançava ao ritmo que ele me penetrava, o seu corpo aquecia ainda mais, aquele entra e sai gostoso o excitou tanto que ele não resistiu e disse-me:

- Aiiii… vou-me vir!!!

 Afastei-me e virei-me para ele abocanhando mais uma vez aquele pau. Chupei com força, suguei a cabeça até sentir o seu cheiro e sabor. A minha boca recebe jatos do seu leite quente à medida que vou engolindo tudo… Quase que me engasgava! (risos – faz parte). Que delícia! Capotamos abraçados sobre a cama macia de tanto prazer, exaustos mas felizes… Depois tomamos banho juntos e decidimos sair para jantar.

Aumente ainda mais o tesão...

Comentários

Ainda sem comentários. Seja o primeiro!

O que pensa desta história? Deixe o seu comentário.

Arquivo de Histórias